Meus Versos Íntimos

Blog criado para apresentar meus trabalhos como poeta e escritor.

Wednesday, August 30, 2006

Palavras de pena

Nada a dizer.



PALAVRAS DE PENA

Palavras profundas são abismos rasos.
Derrubam, levantam, fazem rir ou chorar.
Precisão exata ou significados vagos.
Minhas palavras vagueiam sozinhas pelo nada.
Esperando suas palavras de verdade duvidosa.

A necessidade de pena mostra que você quer
saber que alguém pensa em você.
O último recurso para pensar que alguém se preocupa.

Será que você se preocupava?
Mas você não merece mais nenhuma palavra.
E eu não preciso da sua pena.
Um dia cheguei a achar que precisava
e paguei o preço por só pensar em você.

Será que eu mereço sofrer?
Mas porque mereceria sorrir?
Nunca tive a oportunidade de tentar.
Um dia cheguei a pensar que te perdi
e paguei o preço por só pensar você.

Será que eu preciso lutar?
Você não merece que eu lute,
mas eu perderia mesmo se ganhasse.
Um dia cheguei a pensar que deveria
e paguei o preço por só pensar em você.

Eu sei que devo esquecer,
mas você não vale o esforço.
E eu esqueceria da força
que eu achava que deveria ter.
E paguei o preço por só te ver.

Palavras profundas são pedras pesadas.
Machucam, derrubam e só fazem chorar
Preciosas, raras ou banais.
Minhas palavras te perfuram como flechas,
mas não preciso ouvir suas palavras falsas.

Você não merece mais minha atenção.

Saturday, August 26, 2006

Mudo mudo meu modo de pensar

E lá vou eu parar de atualizar o blog diaramente de novo! Pois é...Eu fiquei sem o notebook por um tempinho e não deu pra atualizar o blog...Pois é...O projeto do meu livro em prosa está praticamente paralizado. Já o de poemas está com 39 paginas. Acho que não vai dar certo por nenhum dos meus artigos do C.B aqui... (E o Bananinha -dono do blog- já comentou sobre isso) porque os artigos de lá eram em sua grande maioria de humor... Então é isso. Fiquem com mais um poema. Esse eu escrevi antes do Sonhos da Piscina, mas eles têm um jogo de palavras parecido.

MUDO MUDO MEU MODO DE PENSAR

Só posso assistir mudo
e mudo meu modo de pensar.
Pesando o mundo e eu mesmo,
mesmo que eu perceba
persisto no mesmo modo de pensar
e me perco na persistência de te amar.

Amarrado na penitência de persistir em me calar,
calado prefiro seus calafrios de calor, longe
te escondo esgotado da vontade
tardia de te mostrar.
E me mostro um monstro que não sou.
Um louco que lançou
o desafio de esquecer você
e sem querer venceu.
Sozinho vê seu mundo
do mesmo modo como era,
com as mesmas correntes de terra,
terríveis que já separaram
a minha vontade de te ver ou ouvir.
Houve um tempo em que eu só queria isso,
mas agora confesso sincero,
sem medo, que não quero mais.

Wednesday, August 23, 2006

Eu morreria se preciso

Olá pessoal! Finalmente estou conseguindo manter atualizações diárias. Logo logo eu vou colocar aqui os meus artigos (reciclados do C.B) porque se não os poemas vão acabar antes do fim do mês que vem! Mas você podia me ajudar fazendo uma propaganda do blog ;) Os comentários me incentivam a continuar postando (e escrevendo!!) cada vez mais (e melhor!!) . O poema de hoje é sobre despedida (de novo?)...Eu não vou nem comentar sobre isso de novo por já ter falado sobre despedidas aqui...Mas é dose...Até eu já tive que me despedir (para os que não sabem eu me mudei do RJ pra BA esse mês) Sem muito o que dizer...Aproveite.


EU MORRERIA SE PRECISO

A vejo ir embora
e lembro de todos
os bons momentos
que tivemos até agora.

Eu fiz tanto por ela.
Eu faria tudo por ela.

Eu deixaria tudo por ela
pra ela não me deixar.
Eu roubaria de tudo
pra não sair dessa cela.

Eu correria pelo mundo
pra não precisar dizer "Adeus".
Eu morreria se preciso
pra não precisar dizer "Adeus".
Eu a prenderia aqui comigo
ou iria preso a ela
pra não precisar dizer "Adeus".

Mas ela sabia disso
e foi embora.
É difícil saber o porquê.
Mas acabou.

Tuesday, August 22, 2006

Sinceridade Equivocada

Ufa! Reforma geral no blog! Um layout mais atraente e imagens para ilustrar todos os poemas. Acho que ficou bem legal assim! Demorei menos de uma hora e meia para ajeitar tudo! Bom, já dei uma turbinada legal no blog...Poemas com mais freqüencia, imagens, design bonito (apesar de ser um modelo já existente). Agora, só para não perder o rítmo, outro poema! De arrependimento, já que é o que mais temos na vida! Não é um dos meus melhores poemas, mas é sincero, pois foi algo que aconteceu de verdade comigo... (OBS. Não se esqueça de navegar pelo pelo menu à sua esquerda para ver os poemas que não aparecem mais na página. Você pode clicar no nome de um dos poemas desse mês ou clicar em um mês para ver os poemas nele postados)

SINCERIDADE EQUIVOCADA

Se aquele dia não tivesse existido
tudo seria diferente.
Hoje eu estaria do lado dela, eu sei.

Se eu soubesse o que foi perdido...
Mas eu sei que tem gente
como eu ainda sincera. É eu sei.

Mas essa gente também se engana.
Assim como eu me enganei, me arrependi.
E percebi em menos de uma semana
que o que eu perdi eu não teria
coragem de tentar recuperar.

O que eu perdi foi ela
e agora eu sei como é fazer alguém chorar
e o preço de ser sincero.

Pena que foi sinceridade equivocada.

Naquele dia eu não deveria ter acordado,
ela não deveria estar lá.
Eu não deveria falar, quando tão inocente
ela perguntou o que aconteceu.
E eu que achava que nosso amor tinha morrido
respondi e fiz com que ele morresse de vez.

Monday, August 21, 2006

Nação em Coma

Outra vertente do Romantismo? Você pode amar muito alguém e não se importar com nada à sua volta. Mas viver entre grades e encher o peito pra dizer que ama o Brasil é meio hipócrita, e só funciona em ano de copa. Enquanto o Brasil não é eliminado. Eu postei esse poema no Cérebro de Banana (http://cerebrodebanana.blogspot.com) na época em que eu ainda era colunista. Mas acho que fugi um pouco do tema principal do blog (que era principalmente de humor). Bom, esse é um poema de protesto. Um pouco sarcástico diga-se de passagem. Também não obedece muito a temática desse blog. Mas espero que goste.

NAÇÃO EM COMA
Quantas aves aqui ainda gorjeiam?
Quantas já não se calaram
depois de um disparo?

Ah, nossa música é boa.
A nossa música é bela.
Ela canta, ela soa
com os tiros na nossa aquarela.

Ah, nosso país tem jeito.
A nação vai à guerra.
Nosso país só pede respeito.
Uma ideologia forte não erra.

Nosso país quer respeito,
como os poetas diziam,
com tiros no peito,
calados como aves.

Mas pra sair do coma
é preciso ouvir.É preciso querer.
É preciso mudar.
Dar voz a um povo sofrido
aonde só a minoria pode falar.
As bases que aqui se firmam
não caem como lá.

Ah, nosso povo cansou de sofrer,
e canta uma canção bela.
Da reforma na nossa aquarela.
Onde apenas flores serão necessárias,
e as dores vão ser evitadas.
E ao final, todos vão ser iguais.
Com o povo vivendo em paz.

Sunday, August 20, 2006

Quando você acorda mal

Poesia! O mundo seria um lugar bem melhor se todos soubessem ler. Assim todos poderiam ler poemas! E lendo poemas refletiriam e seriam mais sinceros consigo mesmos! Veriam as coisas por outros pontos de vista. Receberiam aquele empurrãozinho para fazer as coisas que queriam fazer, mas não tinham coragem. Ou dariam aquele suspiro enquanto caía a ficha de que a vida pode valer a pena. Ou rolaria aquela lágrima que prova que as pessoas ainda têm sentimentos.
Pois é. Mas nem todos sabem ler. E nem todos os que sabem ler, gostam de poemas. Gostam apenas de sentir as emoções de forma egoísta e bruta. Eu não posso fazer nada para mudar isso! Mas aos que gostam de ler eu posso dar o "empurrãozinho" com os meus poemas...Amor, ódio, de todos, de mim...Tudo é poesia, tudo faz parte de sentimentos que merecem ser escritos e de versos que merecem ser compartilhados. Portando, visitante, aproveite mais um poema de minha autoria...Ah, não se esqueça de comentar, assim eu vejo se esse blog ainda é habitado. ;)
Boa leitura. Boa noite.

QUANDO VOCÊ ACORDA MAL

Ás vezes você se sente ruim.
Sente que não é tão boa.
Acha que ninguém gosta de você.

Mas sempre que você acorda assim
minha voz no seu ouvido soa
e eu te digo toda a verdade.

Que você é a melhor pessoa do mundo.
Sem você eu me sinto caindo num poço sem fundo.
Sem nada pra me apoiar, jogado no escuro.

E sempre que você acorda assim
eu te beijo e digo que te amo,
que te quero sempre pra mim
e sempre que estou sozinho eu te chamo.

Ás vezes você se sente mal.
Sente que não consegue.
Acha que ninguém te vê.

Mas sempre que você acorda assim
minha voz no seu ouvido fala
que você está enganada.

Que as vezes se sentir mal é normal,
que você só consegue se tentar,
que a única coisa que eu vejo é você,
que tudo sem você é banal.
E que quando eu estou perto de você
é aí que eu gostaria de estar.

Wednesday, August 16, 2006

Do terceiro andar

Olá visitantes! Poxa, fiquei muito tempo sem atualizar o blog de novo. Desculpem! Não tenho muito o que dizer. Últimamente ando meio pensativo e quando eu penso de mais eu fico muito depressivo. Mas mesmo assim não vou postar nada muito gótico. Mais um poema romântico então hehe!

DO TERCEIRO ANDAR

Me chamam de louco,
mas eu sei amar
Não sei amar um pouco,
eu só sei amar
de um jeito intenso.
Intenso como o mar.

Me chamam de louco,
mas quando eu me joguei
ninguém me segurou.
Mas a vida é se jogar
Minha vida é arriscar.

E você me pergunta porque
eu pulei do terceiro andar,
mas é que aquela hora
vendo o carro dela passar
achei que podia voar,
paguei caro, e agora,
vou fazer o que?

Eu tentei voar,
mas quando me joguei
ninguém me segurou, eu sei.
O amor me empurrou
e a razão deixou
a loucura escapar.